Risperidona e lítio, primeiras opções em transtorno bipolar


O transtorno bipolar (TB) caracteriza-se, segundo o DSM-IV, como uma alternação recorrente e sucessiva de humor, entre a euforia (mania) e a depressão. Algumas vezes fenômenos só de crises de mania podem caracterizar este quadro. Atualmente, com a ampliação do conceito para especto bipolar, outros quadros similares, mas menos relevantes, podem ser incluídos no diagnóstico. A diferença se observa na prevalência: se considerar-mos apenas o “Transtorno”, ela é de 1%, mas quando observado do ponto de vista do “Espectro” pula para 3% a 13% da população. Daí a sua alta importância médica e social, quando um diagnóstico e, consequentemente, uma terapêutica adequada se tornam necessárias. Pode-se dizer que, entre as doenças psiquiátricas, o TB assume grande importância pelo estado confuso do paciente, que não se admite doente, mais os seus comportamentos bizarros na fase da mania. Os gastos excessivos e fora de suas possibilidades trazem problemas financeiros para toda a família. O caso clínico abaixo relatado preenche os critérios de sua inclusão no diagnóstico de TB como “episódio misto”.
Vamos analisar:

Título:
Mulher, 66 anos, agitada e depois depressiva.

Identificação:
17/09/2001 – 56 anos, casada, branca, cursou até 4a série – 1° grau.

Motivo da consulta:
Agitação, fala muito, sai de casa sem motivo e comprando muito sem necessidade.

Histórico familiar:
Nega antecedentes psiquiátricos familiares.